O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, determinou o confisco de bens do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu na sentença condenatória que aplicou a pena de 23 anos de prisão contra o petista, divulgada na quarta-feira (18).

Segundo o magistrado, a propina recebida pelo grupo político de Dirceu chegou a R$ 15 milhões e tal fato permite a aplicação de regra do Código Penal que prevê o confisco de bens que são produtos de crime ou que foram adquiridos com valores resultantes de delitos.

A medida abrange quatro imóveis, sendo um na cidade de Vinhedo, mais especificamente, no condomínio Vale do Santa Fé. O outros imóveis são dois na capital e um em Passa Quatro (MG). Entre eles está a sede da JD Assessoria, empresa de Dirceu, em São Paulo.

Foram confiscados também os valores de cerca de R$ 104 mil, que estavam em conta de Dirceu, e de aproximadamente R$ 14 mil, que estavam depositados em conta de Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, irmão do ex-ministro.

Cabe recurso contra a sentença condenatória.

Fonte: Noticias ao Minuto

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.