O trânsito de Campinas (SP) registrou redução de 26% nas mortes por acidentes no primeiro trimestre deste ano, em comparação com o mesmo período de 2017, de acordo com dados do Sistema de Informações de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga-SP). O balanço apontou que, de janeiro a março de 2018, 26 pessoas morreram em ruas e rodovias do município, enquanto em três meses do ano passado o número foi de 35.

Ainda segundo os dados do Infosiga, em 2018, janeiro teve dez mortes no trânsito, enquanto fevereiro registrou seis e março dez. Já no ano passado, janeiro ficou com 14, fevereiro com 12 e março nove. Os acidentes com motocicletas reúnem o maior número de óbitos (10), seguidos de atropelamentos de pedestres (7) e colisões entre automóveis (6).

O Infosiga apontou também que a faixa etária com maior número de vítimas em Campinas é de 18 a 29 anos, com oito acidentes com mortes dos 26 registrados no período. As colisões em vias municipais têm 53,85% das mortes contra 42,31% das rodovias. Outros 3,85% foram em locais não identificados.

 

Região Metropolitana

Entre as 20 cidades da Região Metropolitana de Campinas (RMC), 11 delas registraram 58 acidentes com mortes no primeiro trimestre. As outras nove não registraram ocorrências. Das colisões que aconteceram em Americana (SP), Artur Nogueira (SP), Campinas, Cosmópolis (SP), Hortolândia (SP), Indaiatuba (SP), Itatiba (SP), Jaguariúna (SP), Paulínia (SP), Sumaré (SP) e Valinhos (SP), 22 foram com motocicletas e 17 atropelamentos de pedestres.

A média mensal de acidentes – 19,3 colisões com mortes por mês – é menor do que a registrada no ano passado, quando o trânsito da RMC registrou, em média, uma morte por dia. O Infosiga apontou que os 20 municípios que integram a região contabilizaram 397 óbitos no ano passado. Campinas (SP), com 155 vítimas fatais, respondeu por 39% dos casos.

* Via G1

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.