O Pilates não é o que muitas pessoas pensam. Não trabalha somente com exercícios para o desenvolvimento da flexibilidade. A atividade termina se convertendo em um estilo de vida.

A metodologia do Pilates se baseia principalmente em aprender a ter um perfeito controle do seu corpo. Com o Pilates você descobrirá como se sentar corretamente; como alcançar um objeto de uma estante alta sem ferir seu ombro; como se levantar e deitar de uma cadeira, de uma cama o do próprio chão sem machucar a si mesmo…

O Pilates também ensina você a mover cargas desde o centro de seu corpo, chamado em Pilates de “powerhouse”. Você passa a recolher um objeto do chão ou empurrar alguma coisa pesada sem lesionar suas costas; treina seu esporte favorito com maior eficácia; segura com mais eficiência e cuidado seu filho ou filha… Tudo isso se dá pelo ganho de força muscular na cintura abdominal e nas costas e pela prática de um encaixe exato da posição de sua pélvis.

Os exercícios de Pilates nascem de uma correta respiração; com a metodologia de Pilates, você notará que ela pode ser feita de várias formas: uma mais abdominal, uma focada na parte inferior das costelas e outra na parte superior do peito. Este último tipo favorece as tensões no pescoço, e demonstra o quão importante é respirar corretamente quando você realiza um esforço.

Outro benefício do Pilates é a melhora na concentração, pois, para poder fazer todos os exercícios acertadamente, de maneira precisa e com a fluidez de movimentos que o método exige, é necessário só pensar no seu corpo, na inspiração e expiração, na seqüência dos movimentos… Em resumo, durante sua aula de Pilates você só vai pensar em você mesmo, contando, claro, com a ajuda do professor ou professora que o ajudará na execução dos exercícios, na sincronização destes com a respiração mais correta e na escolha dos movimentos mais adequados para seu caso.

Por tratar-se de um exercício para todas as idades e sexos, dependendo do objetivo perseguido o Pilates pode ser mais ou menos desafiante aos olhos de um espectador. O método busca a adaptação a cada pessoa e a suas capacidades. O ganho de força muscular você poderá usar no seu esporte ou para minimizar a fadiga que requerem as atividades da vida diária. Também há melhoras na prevenção e recuperação de lesões. Sem falar dos múltiplos benefícios mais conhecidos: aumento de flexibilidade, de agilidade, de sentido do equilíbrio e a melhora da coordenação nos movimentos. O aumento do controle postural e de consciência corporal que sucedem a prática cairão como uma luva para a maioria das pessoas do século XXI, pois vivemos numa sociedade tristemente ancorada a uma cadeira, a um sofá ou coisa que o valha, onde dominam empregos sedentários que não ajudam nossa saúde.

O Pilates é uma atividade física de recente criação (começos do século XX) se o comparamos às atividades físicas das quais se nutre: yoga, artes marciais e fisiculturismo. Na verdade, Josep H. Pilates desenvolveu seu primeiro aparelho adaptando uma cama do hospital durante a primeira guerra mundial; o que ele queria era ajudar na recuperação de lesões em pacientes encamados. Pois é, o Pilates tem aparelhos – que muitos “pilateros” chamam de aparelhos de tortura. Com carinho, isso sim.

Atualmente são usados vários aparelhos para trabalhar a metodologia de Pilates, cada um com seus partidários e seus detratores. No Barrel, por exemplo, você exercita especialmente a flexibilidade e o trabalho de costas; na Cadeira, você pode treinar até sentir suas coxas arderem sem se sentar nela; no Cadillac se aprende alguns malabarismos na parte do trapézio quando você alcança o nível suficiente, com a devida progressão. Por último, o Reformer é uma cama móvel com molas que resistem ou facilitam o movimento segundo nossos objetivos a trabalhar. Nele, é possível trabalhar até saltos com a prancha de salto.

O Pilates também pode se trabalhar no chão, com uma simples esteira. Muitas vezes, treinar com seu próprio corpo como única resistência é o jeito mais desafiante.

Faço sempre o mesmo quando me perguntam a respeito: sugiro que as pessoas interessadas conheçam o método, e que as mais céticas examinem as vantagens da atividade pela experimentação, não deixando que ninguém o faça acreditar só com palavras.

 

Texto: Eva de Laorden Pérez.
          Fisioterapeuta e Professora de Pilates
          Formada pela Universidad Complutense de Madrid – Espanha

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.