Em um momento que a intervenção militar e a volta da ditadura são clamadas por uma boa parte da sociedade brasileira, é importante relembrar a importância da liberdade de expressão e a liberdade de imprensa.

Durante a Ditadura Militar no Brasil ficou claro o que os regimes autoritários podem fazer com a liberdade de expressão. Censura em todos os meios midiáticos era algo natural. Hoje, vivemos numa democracia que apesar dos preconceitos enraizados na nossa sociedade prega a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa.

Segundo o Artigo 19 da Declaração dos Direitos Humanos: “Todas pessoas têm direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de ter opiniões sem interferências e de procurar, receber e transmitir informações e ideias através de qualquer meio, independentemente de fronteiras”.  Isso quer dizer que críticas, avaliações, opiniões e visões dos fatos que ocorrem em nossa sociedade devem sim ser compartilhadas, e os pontos de vistas sempre discutidos. Apenas com a liberdade de expressão e liberdade de imprensa a pluralidade de visões pode ser alcançada. Agregar diversas visões sobre o mesmo fato sem censura de qualquer forma promove uma melhor avaliação sobre o que acontece. Isso permite não só uma melhor avaliação, mas também, uma melhor definição de atitudes e ações que podemos tomar como indivíduos e sociedade.

Além disso, a liberdade de imprensa é tida como positiva porque incentiva a difusão de múltiplos pontos de vista, estimulando o debate e por aumentar o acesso à informação e promover a troca de ideias de forma a reduzir e prevenir tensões e conflitos.

Todos os anos, a organização Repórteres Sem Fronteiras estabelece uma classificação de países em termos de liberdade de imprensa. O Índice de Liberdade de Imprensa é baseado nas respostas aos relatórios enviados aos jornalistas que são membros das organizações parceiras do RSF, assim como especialistas afins, tais como pesquisadores, juristas e ativistas dos direitos humanos. De acordo com a organização Repórteres sem fronteiras, o Brasil ocupava a 104.ª posição do ranking de liberdade de imprensa em 2016, dentro de uma lista composta por 180 países.

É imprescindível, no entanto, ressaltar de modo enfático que a liberdade de imprensa exige responsabilidade. Na atualidade, com a tecnologia e a rápida dispersão de informações a disputa por atenção e cliques é uma das coisas mais importantes. Nessa fúria por engajamento e compartilhamentos alguns setores da imprensa apenas se preocupam em ser sensacionalistas, as vezes até pulando passos importantes do ofício, como a conferência de fatos e a utilização de fontes confiáveis. É ainda necessário diferenciar os discursos de ódio e matérias que ferem os direitos humanos, ou seja, além de levianas muitas delas são preconceituosas. É nesse ponto que a responsabilidade da imprensa é imprescindível para a continuidade da liberdade de expressão.

É como diria Tio Bem em Spider-Man, “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”. Brincadeiras à parte, o CICERONE VINHEDO está comprometido com a veracidade dos fatos, a liberdade de expressão e a responsabilidade que nosso trabalho implica. Feliz dia da liberdade de imprensa!

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.