O Dia do Comerciante é comemorado anualmente em 16 de julho.Criado pela Lei nº 2048, de 26 de outubro de 1953, o Dia do Comércio teve como base a data de nascimento do economista e político José Maria da Silva Lisboa, o Visconde de Cairu, Patrono do Comércio Brasileiro. Hoje é destinada a homenagear todos os profissionais que trabalham na área do comércio, ou seja, na venda de produtos e serviços.

Considerado um dos trabalhos mais antigos do mundo, o comércio é uma atividade extremamente importante para o desenvolvimento econômico do país. Entre meados do século XIX e a Primeira Guerra Mundial, a relação comercial entre os países cresceu ainda mais, e se intensificou depois da Segunda Grande Guerra. Para se ter uma ideia, o total de dinheiro arrecadado com o comércio no mundo passou de U$ 61 bilhões, em 1950, para U$ 5,61 trilhões, em 1999, de acordo com a Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad). Conforme dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), o comércio vem crescendo mais que a produção mundial (PIB). Este crescimento acelerado do comércio tem uma explicação. Ele se deve à diminuição das barreiras alfandegárias e ao desenvolvimento das telecomunicações e dos transportes.

O maior acesso da população às novas tecnologias de comunicação, devido ao seu barateamento, permite a pesquisa de mercado e a realização de novos polos de compra e venda. Já no caso da melhoria dos meios de transporte, a construção e o aperfeiçoamento de rodovias, ferrovias, portos marítimos e aeroportos, naturalmente, facilitam o deslocamento de produtos.

 

Quem foi Visconde de Cairu?

José Maria da Silva Lisboa, baiano, de Salvador, foi deputado, senador e secretário da Fazenda Real. Economista por formação acadêmica, possuía também vasto conhecimento em outras áreas do saber. Recebeu o título de Patrono do Comércio do Brasil por suas iniciativas em prol do desenvolvimento das relações comerciais do país com outras nações.

O futuro Visconde de Cairu, foi o responsável pela obtenção de leis que beneficiaram o iniciante comércio brasileiro, na época totalmente dependente de Portugal. Sua ação ficou reconhecida com a assinatura da histórica Carta Régia, de 28 de janeiro de 1808. Por ela, D. João VI, aconselhado pelo Visconde, abriu os portos brasileiros ao comércio exterior.

Com o livre comércio, a estrutura colonial se rompeu, e a partir daí o comércio brasileiro começou a se desenvolver. Bons negócios passaram a ser feitos com outros países, gerando lucros para a nova Nação.

 

Comércio em Vinhedo

Em Vinhedo385 indústrias de médio e grande porte. Além de 585 empresas de pequeno porte e 2.420 empresas de pequeno porte. Sem esquecer os 1.125 microempreendedores individuais. A maioria das indústrias estão localizadas em nosso Distrito Industrial. As opções no comércio de Vinhedo são diversas, e agora durante o período de crise muitos empreendedores estão aproveitando a oportunidade para abrir novos negócios. A todos esses comerciantes e empreendedores desejamos sucesso nesse dia!

 

Fonte: O Cicerone

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.