Uma locomotiva da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro lançada na década de 1960 voltou a circular entre Campinas (SP) e Jaguariúna (SP), neste sábado (18), após passar por uma restauração de R$ 200 mil custeada pela Associação Brasileira de Preservação Ferroviária (ABPF). Características originais foram preservadas e ela é a primeira a ser recuperada totalmente, segundo a entidade.

A máquina a diesel pesa 60 toneladas e foi desenvolvida à época com a proposta de substituir os trens a vapor, além de tracionar vagões de passageiros. Foram criadas, ao todo, 23 locomotivas.

A associação recebeu esta estrutura em janeiro de 2016 e os trabalhos incluíram reconstrução das partes elétrica e de lataria. Ela planeja usá-la para auxiliar as máquinas a vapor que são operadas.

Histórica

No passado, a locomotiva era usada nos trechos Campinas-Ribeirão Preto (SP) e Ribeirão Preto-Uberaba (MG), incluindo transporte de passageiros e cargas. Ela tinha capacidade de atingir até 80 km/h, o dobro das máquinas a vapor. Atualmente, na linha turística, a velocidade é de 25 km/h.

Você conseguia andar até 250 km a mais do que a máquina a vapor , explica o maquinista Rodrigo José Cunha. A locomotiva tem dois motores, um a diesel e outro elétrico, e o único item diferente é uma câmera de monitoramento, que tornou-se obrigatória para a circulação.

É a história da nossa cidade, Campinas, e da Mogiana , afirma Hélio Gazetta Filho, diretor da ABPF. A Estação Anhumas ficou lotada para o passeio inaugural – veja detalhes no vídeo acima.

A frota atual da ABPF em condições de rodar a linha turística entre Campinas e Jaguariúna é composta por seis locomotivas a vapor, e subiu para três o número de máquinas movidas a diesel. Além disso, há 18 carros de passageiros, informou a entidade à EPTV, afiliada da TV Globo.

 

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.