O crescimento percentual no volume de esgoto gerado na RMC (Região Metropolitana de Campinas) deve ser quase o dobro do que no Estado em 2035, segundo projeção divulgada pela ANA (Agência Nacional de Águas). De acordo com a estimativa, o crescimento entre 2013 (dados mais atualizados) e 2035 será de 32,95% na região contra 18,46% no Estado.
 
Denominada Atlas Esgoto: Despoluição de Bacias Hidrográficas , a pesquisa apresenta trabalho de diagnóstico da situação vigente quanto ao esgotamento sanitário de todas as sedes municipais do País e suas implicações na qualidade dos respectivos corpos d água receptores.
 
A pesquisa aponta a carga gerada de esgoto por município levando em conta a carga de DBO (Demanda Bioquímica de Oxigênio), expressa em quilo por dia. Em 2013, nas 20 cidades da RMC, foram 151.706 DBO/kg por dia. Em 2035, a carga gerada de esgoto deve ser de 201.698 DBO/kg por dia. No Estado, o número é de 2.188.156 em 2013 e 2.592.239 em 2035.
 
POR MUNICÍPIO
 
Por município, o que terá maior aumento de carga gerada de esgoto na projeção é Santa Bárbara d Oeste, com 45,21%, acima do total da RMC. Também estão acima do percentual de crescimento na região Engenheiro Coelho, com aumento de 44,24%, Cosmópolis, com 43,87%, Valinhos, com 38,72%, Indaiatuba, com 38,48%, e Nova Odessa, com 36,8%. Os menores aumentos são de Holambra, 11,01%, e Santo Antônio de Posse, com 15,27%.
 
COLETA E TRATAMENTO
Além disso, levando em consideração o índice de atendimento em 2013, três municípios da RMC figuram com porcentagem de esgoto sem atendimento, não coletado e não tratado maior que a do Estado. A porcentagem estadual é de 9,15%. Monte Mor tem porcentagem de 25,3%, Vinhedo de 14,6% e Santa Bárbara d Oeste de 13%.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.