A Prefeitura de Vinhedo comunicou nesta terça-feira (20) que vai processar a empresa PMA – Produções e Montagens Artísticas, que organizou a 56ª Festa da Uva e 8ª Festa do Vinho de Vinhedo, devido a descumprimentos contratuais. A multa pode chegar a R$ 1 milhão, diz a administração municipal. Comerciantes que alugaram stands nos eventos relataram prejuízos de até R$ 20 mil devido ao baixo movimento e problemas estruturais.

As festas, que ocorreram do dia 2 até o último domingo (18), tiveram seus principais shows cancelados devido à pequena procura por ingressos e público inferior a 200 pessoas nas primeiras apresentações.

Ao divulgar as festividades, a prefeitura informou que era apoiadora da iniciativa. Em nota divulgada nesta terça-feira, afirma que implantou um novo modelo, sem investimentos da Prefeitura em ações como contratação de shows, equipe de limpeza, divulgação, entre outros itens, com o objetivo de encontrar um novo modelo a ser aplicado, com valorização dos artistas e agricultores da cidade . E acrescentou que, como todo novo modelo, deve ser ajustado para acertos e correções .

A Festa da Uva e do Vinho é considerada pela administração municipal como um patrimônio do povo vinhedense e uma das mais tradicionais do interior do Brasil .

A Prefeitura já diligencia para, conforme previsto no Termo de Compromisso (firmado com a empresa), estabelecer possíveis penalidades à empresa: podendo ser uma no valor de R$ 25.000,00, face a rescisão unilateral; outra no valor de R$ 500.000,00, em razão do descumprimento e inexecução dos termos previstos no Termo de Compromisso; e ainda, outra multa de, no mínimo, o valor de R$ 500.000,00, pelas penalidades previstas dos prejuízos causados. Estes assuntos serão discutidos no campo Jurídico , comunicou o Executivo, em nota.

Em nota divulgada no dia 10, a empresa organizadora apontou que foram canceladas as apresentações de Maria Cecilia & Rodolfo, Cezar & Paulinho, Inimigos da HP, João Bosco & Vinicius e Gino & Geno. O motivo, de acordo com o texto, foi que a venda de ingressos e o público na primeira semana foram baixos. O ingresso antecipado custava R$ 30.

Não teve público, os show foram cancelados. Dentro do meu stand, a lona estava rasgada desde que cheguei. Pedi pra organização colocar uma lona, pra não molhar mercadorias, só que essa providência não foi tomada, choveu, molhou minha mercadoria, molhou dos colegas do lado , relatou Dirceu Alexandre Guedes, que vendia malhas no recinto e registrou BO (boletim de ocorrência) contra a organização. Um grupo de comerciantes que trabalhou na festa criou um grupo no WhatsApp para discutir medidas conjuntas.

Ele apontou que vendeu 40% menos do no ano retrasado, quando também trabalhou nos eventos. Também foi apontado problemas com falta de energia devido à falta de pagamento de eletricistas pela organização.

Público baixo

As ligações a celulares de organizadores do evento não foram atendidas até a publicação dessa reportagem. Ao comunicar o cancelamento dos shows, a organização informou na nota que o público dos shows anteriores à medida foi inferior a 200 pessoas por dia.

No texto, a empresa ainda aponta que o cancelamento ocorreu em comum acordo com todos os barraqueiros , uma vez que os comerciantes ameaçaram ir embora caso houvesse cobrança de ingressos para os shows da arena .

* Via G1

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.